Watch Dogs

Games PC PS3 PS4 Wii U Xbox 360 Xbox One
Seguir
7.9

Opiniões

Gráficos VS. Diversão – Relembre a polêmica envolvendo Watch Dogs

Gráficos VS. Diversão – Relembre a polêmica envolvendo Watch Dogs

A discussão é quase tão antiga quanto o próprio mundo gamer desde a época do Mega Drive (SEGA) X Super Nintendo: “Gráficos não importam, o que importa é a diversão”. Mas, parece que na prática o público se preocupa bastante com a qualidade visual, e o melhor exemplo disso foi a polêmica que aconteceu com o tão aguardado jogo em mundo aberto da Ubisoft, Watch Dogs.

Para quem não ficou sabendo, relembrando o caso polêmico: Os trailers divulgados de Watch Dogs na E3 de 2012 mostravam uma versão do jogo com uma qualidade gráfica significativamente superior em diversos aspectos a sua versão final lançada em 2014. Atualmente, com uma simples pesquisa é possível encontrar vídeos comparando ambas as versões do jogo. Curiosamente, o diretor do título, Jonathan Morin, declarou na época o inverso: “Não há quaisquer queda de qualidade, especialmente nas versões da nova geração. É o contrário. O que mostramos na E3 de 2012, em muitos aspectos, era pior. Acho que a questão está nos detalhes. Então, não há ‘downgrade’”.

Video Thumbnail

Isso gerou revolta na comunidade gamer do mundo inteiro, principalmente com quem esperava receber aquilo que assistiu no primeiro trailer de divulgação, visto que os donos do Playstation 4 e Xbox One estavam ansiosos com o lançamento do jogo que mostraria a grande potência gráfica da nova geração, o que lhes trouxe um sentimento de “enganação” por receberem um produto que não condizia com o que foi anunciado. Claro que, por outro lado, tanto a mídia especializada na hora de analisar o jogo como um todo, quanto os jogadores não adeptos do “discurso binário”, disseram que a experiência é ótima, e os gráficos são agradáveis, mesmo que não se alcance a qualidade mostrada anteriormente.

“Eu peguei a versão do PS4 e evidente que fiquei frustrado pela qualidade gráfica não ser a mesma dos vídeos apresentados. Mesmo o Watch Dogs não sendo, nem de longe, tudo que foi prometido, ele cumpre bem a proposta em ser um jogo em mundo aberto decente e cheguei a ficar viciado o suficiente para platinar o jogo. O conteúdo do jogo prende, a trilha sonora empolga, e é ótimo ficar vagando por Chicago, especialmente para completar as missões extras” – diz Fábio Ferreira de 28 anos ao Rings.

Video Thumbnail

“Eu acho que a experiência importa mais do que a qualidade gráfica. O problema é que a Ubisoft fez um marketing exageradíssimo se comparando a real qualidade do produto final, passando a impressão de que Watch Dogs ia deixar o “GTA V” no chinelo e ia ser a experiência mais épica já mostrada na história do mundo gamer, etc. No fim das contas foi apenas mais um jogo. É um bom jogo? É, dá pra se divertir com ele, e tecnicamente ele é bem produzido, incluindo a qualidade gráfica. Só que não é, nem de longe, tudo que tentaram passar. Creio que a alta quantidade de vendas se deu exclusivamente pelo ‘hype’ que a Ubisoft causou e não a real qualidade dele. A empresa não pode criar uma expectativa enganosa com seus consumidores dessa forma, além de que negar o óbvio [se referindo a declaração de Morin] acaba manchando a imagem da mesma.” – diz Lucas Carvalho, gamer de 22 anos.

Vale lembrar que, apesar das polêmicas, Watch Dogs foi nomeado para quase duzentos prêmios, ganhando diversos deles e que as análises dos principais sites ao redor do mundo deram uma média de oito pontos, elogiando os combates; o inovador sistema de hackear computadores, sendo que o protagonista pode ver dados de praticamente qualquer personagem em seu smartphone; bons gráficos, tendo uma reprodução fiel da cidade de Chicago; jogabilidade simples e intuitiva; e um possível esforço da empresa em deixar o jogo livre de bugs e problemas de câmera. De negativo, citam personagens estereotipados, missões tediosas, história previsível e constantes “slowdowns”, ou as famosas quedas de framerate.

Watch Dogs está a venda para diversas plataformas. Versões em português do Brasil dubladas e legendadas também estão disponíveis.

8 Respostas

  1. Se não liga pra gráfico não devia ter ficado triste com o trem da hype, penso que você deveria ter aceito do jeito que estava :v

  2. E tbm isso pura ladainha eu gosto de gráfico sim e o jogo não tem que vir pra divertir a pessoa deve experimentar e testar aí ela própria verá se à diverte :v simples se não querem gráficos voltem pra antiguidade e deixe a gente curtir
    *Não vim criticar seu comment eu achei ele muito bom minha resp é em um fator geral*

  3. Sim cara o saudosismo cega as pessoas :v

  4. ENCONTREI UM NOVO JOGO Melhor que BRASFOOT e CARTOLA, só que é muito melhor, e os 10 primeiros colocados dA semana ganham prêmios em dinheiro. É GRÁTIS

    LINK: ———– http://goo.gl/Q9Lz3e

  5. Eu penso o seguinte: qualidade gráfica não está “FORA” da imersão, ou melhor daquilo que COMPÕE a diversão. Não vejo que é correto colocar as coisas como adversárias, como gráficos VERSUS(!) diversão.

    Assim, é verdade que o trabalho de animação de personagens ajudam bastante a gente a acreditar nas personagens de jogos recentes. Experimentem, apenas para entender meu ponto de vista, ver um vídeo da luta de MK1 ou 2, onde os movimentos foram digitalizados e compostos quadro a quadro nos anos 80/90. Para a época, era a melhor saída, mas quem desejaria – sinceramente – jogar com aquele tipo de simulação hoje em dia?

    A captura de movimentos, hoje um aspecto técnico comum, avançou muito neste terreno. Ainda bem!
    Outro caso memorável que ajuda os jogadores a entender que a imersão é um conjunto de elementos, é a animação em MASS EFFECT 3, na noite de sexo que Shepard pode ter (caso o jogador tenha optado por isso). Eu escolhi a cena entre Shepard masculino e Kaidan (Acesse: https://www.youtube.com/watch?v=o9_dciSPbQ8). A conversa que ambos têm, com todos os olhares, gestos, música e cenário são incríveis!

    E ao pensar, vejo que é esse é o ponto: que o conjunto de itens que compõe o que alguns vão chamar de diversão contempla, sim, os gráficos, com resolução alta das texturas, simulações de física, iluminação e partículas que interagem, enfim, tudo deve caminhar para o realismo SEM QUE ISSO significa PERDA DA DIVERSÃO.

    Não faz sentido dizer que melhores gráficos pioram a diversão. Melhorar otimização dos jogos, publicar pré-requisitos reais (ao invés de mentir e empurrar o jogo para máquinas que não podem processá-los adequadamente apenas para aumentar as vendas), essas são as questões que deveríamos criticar.

    Watch Dogs fez mal ao dizer que teríamos um nível visual excelente, diferente do que ocorreu em Crysis quando surgiu. O jogo da CryTec, sim, prometeu e cumpriu: As máquinas não conseguiam rodá-lo de forma satisfatória, mas não podemos dizer que a qualidade não era aquela que anunciavam. As máquinas tiveram de se modernizar, as produtoras Nvidia e AMD tiveram de entregar produtos mais poderosos, enfim, o jogo PUXOU A INDÚSTRIA de forma positiva.

    Acho melhor aquilo a uma promessa que se desfaz no lançamento.

  6. A questão não é que o jogador dá mais valor para o gráfico do que para a diversão. A questão é que a Ubisoft propagandeou uma qualidade visual e vendeu outra. Se a Ubisoft tivesse feito sua publicidade com os gráficos reais do jogo, essa polêmica nunca teria sido gerada.

  7. Sinceramente, a Ubisoft foi bem desleal com os fãs em ter lançado um trailer com gráficos daqueles e depois sair algo tão zoado… Não me importo se os consoles não aguentaram os gráficos… Ok. Mas os PCs aguentavam e os malditos desceram o PC para ficar “igual” aos consoles. O mesmo vai pra Assassin’s Creed Unity. Os caras falam e falam que não tem nada a ver, mas certeza que o downgrade é pra igualar tudo… Ridículo. Empresa totalmente comprada em qualquer meio.

  8. Também fui um dos que comprei o jogo no lançamento (xbox 360) pela tamanha expectativa gerada em cima dele na E3 de 2012, fiquei contando os dias para ter o jogo em mãos e quando o tive, me decepcionei muito. Eu não sou de ligar para gráficos, amo jogar jogos de Mega Drive e alguns clássicos de Xbox, mas esse sentimento de enganação que o jogo passou me deixou muito desanimado com ele, tanto é que nem pego ele pra jogar. Fiquei numa hype imensa e por fim me dececpcionei, se a Ubisoft não tivesse alardeado tanto, talvez eu teria gostado mais do jogo :(

Deixe sua Opinião

Esqueci a Senha