Digimon Story: Cyber Sleuth

Games PS4 Vita
Seguir
7.6

Opiniões

Resumo – Digimon Story: Cyber Sleuth

Digimon Story: Cyber Sleuth

Estabelecido em um futuro próximo, as linhas entre o mundo real e o digital se misturaram. Logar-se e entrar em um mundo digital do ciberespaço se tornou uma experiência do cotidiano, onde, a entrada em uma sala de "bate-papo" no digimundo trouxe o encontro com um misterioso hacker que levam a uma nova aventura. Jogadores vão atravessar e explorar um mundo cheio de elementos vívidos e relacionados ao nosso mundo real (ex: com locais reais do Japão), enquanto trocam passos com o mundo abstrato dos Digimons, para investigar um mistério que infecta ambos universos.

Digimon Story: Cyber Sleuth é um RPG de turnos desenvolvido pela Media.Vision Entertainment, a empresa responsável pela série Wild Arms. O título faz parte da sub-série de jogos Digimon Story, que é fica com jogos de Digimon em RPG de turnos, enquanto a sub-série Digimon World, fica para o mesmo esquema estabelecido no primeiro Digimon World para Playstation 1. A Bandai Namco localizou o jogo em fevereiro de 2016, quase 1 ano após o seu lançamento original no Japão, em março de 2015. A versão para PS4 é exclusiva do ocidente, diferente do oriente que só é lançado o jogo para PS Vita.

Os personagens são desenhados por Suzuhito Yasuda, que é famoso por seu trabalho em Devil Survivor e a trilha-sonora é composta por Masafumi Takada de Killer7, No More Hereos e Danganronpa.

Gênero:Ano de Lançamento:Desenvolvimento:Distribuição:Indicação:

Enredo

Em Cyber Sleuth, o personagem passa por locais reais do Japão, incluindo o icônico prédio da SEGA em Akihabara.

O jogador assume o papel de Takumi Aiba (garoto) ou a Ami Aiba (garota). Aiba é um(a) hacker amador que recebe um programa chamado Digimon Capture de um estranho misterioso em uma sala de bate papo. O programa permite eles de capturar Digimons, criaturas digitais que habitam na realidade virtual baseada na versão de Internet chamada Cyberspace EDEN, onde os usuários podem entrar fisicamente.

Depois de se aprofundar em níveis inferiores do EDEN, Aiba é atacado por uma entidade/base de dados chamada “Eater” que deixa seu corpo em um estado metade digital. Isso o dá a habilidade de se movimentar livremente pelo mundo digital e o real por terminais. Aiba depois é abordado por uma mulher chamada Kyoko Kuremi, que lidera a Agência de Detetives Kuremi, a qual recruta o mesmo para sua divisão cibernética.

Jogabilidade

Ao todo, há 240 Digimons disponíveis ao jogador em Digimon Story: Cyber Sleuth.

Em Digimon Story: Cyber Sleuth jogadores podem explorar áreas baseadas em locais reais de Tóquio, além de áreas na rede Cyberspace EDEN. O game também trás mais de 240 Digimons para colecionar, batalhar e digivolver. Os combates em turnos são similares ao sistema usado em Final Fantasy X onde a velocidade determina qual personagem vai iniciar o próximo turno. O jogador pode apenas trazer 3 Digimons para a batalha, mas pode trocar os Digimons ativos por seus reservas, assim como nos jogos de Pokémon para portátil. Os Digimons têm 3 tipos distintos (Data, Vacina e Vírus) e numerosos elementos (Fogo, Planta, Trevas e outros), cada um tendo vantagens e desvantagens contra outros. Há também outros elementos em destaque, presentes:

Digi-Lab: Uma área onde o jogador pode estocar e recolher Digimons de sua coleção, digivolver e “desevoluir” os mesmos, acessar ao Digi-Farm, curar seus Digimons, acessar características online ou re-entrar em dungeons já terminadas;

Digi-Farm: Um local onde o jogador pode treinar seu Digimon, criar itens ou pesquisar por missões;

Digievolução: Um Digimon pode digivolver ou voltar sua digievolução (de-evolved) quando certos requerimentos são atingidos (geralmente por ter nível suficiente, stats e CAM). Digivolver ou voltar sua digievolução sempre reseta o Digimon para o nível 1, mas dá ao Digimon outros benefícios relacionado ao nível e status base. Um Digimon só pode usar o “de-evolved” para outro Digimon que já foi descoberto;

Digimon Capture/Scan: Depois de escolher entre os 3 Digimons iniciais: Terriermon, Palmon or Hagurumon, cada vez que o jogador encontrar um Digimon selvagem em batalha (exceto batalhas de chefe/forçadas), as informações (data) deste Digimon serão parcialmente escaneadas no começo da batalha. Uma vez que o medidor chega a 100% (máximo 200%), este Digimon escaneado pode ser criado no Digi-Lab para se tornar seu aliado.

Dentre outras caraterísticas diversas.

Referências a outros jogos

Mirei Mikagura e Rina Shinomiya de Digimon World Re:Digitize Decode para Nintendo 3DS, divulgadas na revista V-Jump como personagens confirmadas para Digimon Story: Cyber Sleuth.

Assim como as 5 primeiras temporadas de anime de Digimon foram referenciadas no final de Digimon Xros Wars, ou Digimon World Re:Digitize e Digimon World: Next Order são uma continuação direta do Digimon World original (para Playstation), também há referências generalizadas em Digimon Story: Cyber Sleuth, aqui se atendo somente a aparições de personagens. As principais referências são: Mirei Mikagura e Rina Shinomiya, personagens de Digimon World Re:Digitize. Mirei é uma personagem que “já viajou por diversos mundos digitais” e que se tornou um corpo de dados igual ao protagonista de Cyber Sleuth por acidente. Ela o ajudará pelo Digi-Lab. Já a Rina, protagonista inserida na versão “Decode” de Re:Digitize, também está lá como uma “nova aliada”. Ambas personagens foram divulgadas em destaque na revista japonesa V-Jump, antes do lançamento de Cyber Sleuth para PS Vita. Há também a personagem Sayo e o Doutor que apareceram em Digimon World Dawn & Dusk. Sayo também apareceu em Digimon Story: Super Xros Wars. Mas, todos personagens citados não demonstram ligações entre suas histórias de jogos anteriores, podendo-se entender que todas aparições feitas em Cyber Sleuth são apenas cameos.

Esqueci a Senha